Avançar para o conteúdo

10 Truques para Viajar em Tempo de Pandemia

    Viajar era um dado adquirido. Dar a volta ao mundo parecia ser possível em algumas horas. As distâncias estavam cada vez mais reduzidas, os países longínquos pareciam ao alcance de um simples bilhete de avião. Mas eis que tropeçámos numa pandemia, o mundo parou, os aviões abandonaram os céus, os aeroportos ficaram desertos e os sonhos pendurados.

    Estamos em Novembro de 2020, ainda não foi atingida o pico da 2ª vaga de Pandemia, as recomendações pedem-nos para não viajar, mas a verdade é que existem deslocações inevitáveis, seja por razões profissionais ou pessoais. Porém, o medo também vai na bagagem. 

    Por isso mesmo, venho deixar aqui alguns truques e recomendações para que as viagens se tornem mais seguras e tranquilas.

    1 – Usar máscara

    2 – Lavar bem as mãos frequentemente

    3 – Etiqueta respiratória

    Os três primeiros tópicos dispensam apresentações e são transversais para quem tiver a coragem de viajar, ou para quem decidir ficar por cá. São as medidas mais eficazes na prevenção da infeção por SARS COV2 e devem ser cumpridas. A máscara deve ser usada em espaços fechados e no exterior, principalmente se não for possível manter distanciamento social.

    Por falar nisso …

    4 – Distanciamento social

    As medidas de distanciamento social têm o objetivo de reduzir a interação social entre as pessoas, de forma a diminuir a transmissão da doença por SARS COV2.

    Sabemos que uma das formas mais comuns de transmissão ocorrem em convívios entre familiares e amigos, e à mesa.

    Por isso, devem:

    • Manter, sempre que possível, uma distância superior a dois metros de outras pessoas;
    • Não partilhar a mesa de refeição com outras pessoas;
    • Não retirar a máscara em lugares com aglomerados, mesmo ao ar livre;
    • Preferir o comércio ao ar livre, lojas de rua, feiras;
    • Pagar com multibanco e, de preferência, contactless;
    • Evitar de forma não essencial, transportes públicos, sobretudo nas horas de ponta;
    • Recorrer, sempre que possível, a serviços de entrega ao domicílio;
    • Utilizar serviços telefónicos ou online para estabelecer contacto.

    5 – Escolher um destino com baixa taxa de incidência

    Quanto menor a taxa de incidência menor a probabilidade de ser infetado com o novo coronavírus. Independentemente do destino, a recomendação principal é manter os cuidados básicos que deveríamos ter sempre, como a lavagem adequada das mãos e a etiqueta respiratória.

    6 – Escolher um bom seguro de saúde

    Nesta altura particular de pandemia, eu escolheria um destino com sistema de saúde desenvolvido. Existe sempre a probabilidade de acontecer alguma coisa e ter que recorrer a um hospital no estrangeiro (já me aconteceu), mas no meio de uma pandemia a probabilidade aumenta. Mais importante ainda, é ter um bom seguro de saúde. Não se esqueçam: devem confirmar se o vosso seguro de saúde inclui episódios de urgência e internamentos por SARS – COV2, já que muito seguros não cobrem estas situações.

    7 – Informar sobre os requisitos e restrições do pais de destino

    Antes de viajar, deverá informar-se sobre a atual situação da COVID-19 no país de destino da viagem. Verifique se se existe algum alerta oficial (por exemplo, do Ministério dos Negócios Estrangeiros) para o local onde pretende viajar, se é obrigatória a realização de teste SARS COV2 ou isolamento. É muito importante seguir as recomendações das autoridades de saúde locais para protegermos a nossa saúde, das outras pessoas e respeitar as suas preocupações.

    Em 15 de junho de 2020, a Comissão Europeia lançou a plataforma em linha Re-open EU com informações essenciais sobre o relançamento em segurança da livre circulação e do turismo em toda a Europa.

    Este site oferece informação sobre: número de casos, fronteiras, meios de transporte disponíveis, restrições de viagem, medidas de saúde pública e de segurança, nomeadamente sobre o distanciamento físico ou o uso de máscara outras informações práticas para os viajantes.

    O sítio Re-open EU centraliza informação atualizada fornecida pela Comissão e pelos Estados-Membros. Permite às pessoas consultar informações específicas através de um mapa interativo com informações atualizadas sobre as medidas nacionais aplicáveis, bem como com conselhos práticos para quem visita o país. Disponível nas 24 línguas oficiais da UE, a plataforma é facilmente acessível quer a partir de um computador quer de um telemóvel. Basta clicar na seguinte ligação: https://reopen.europa.eu/

    8 – Optar por alojamentos “Safe and Clean” ou carimbos equivalentes

    Atualmente, eu escolheria um alojamento mais confortável, mais limpo e mais seguro, mesmo que possa ser um pouco mais dispendioso. Um hotel mais caro não é sinónimo de limpeza, mas ajuda !

    9 – Usar máscara cirúrgica ou P2 no aeroporto e avião

    Como sabem o uso de máscara é obrigatório nos aeroportos e nos aviões, sendo quase impossível evitar os aglomerados de pessoas. Eu recomendo o uso de máscara cirúrgica ou P2 durante a permanência nos aeroportos e viagens de avião, em vez das máscaras de tecido porque para além de serem mais confortáveis e respiráveis, o que faz bastante diferença em muitas horas de voo, apresentam maior eficácia na protecção.

    A viagem de avião pode ser um momento de grande angústia e medo, mas saibam que de acordo com um artigo publicado pelo MIT Medical, o sistema de filtragem de ar dos aviões comerciais é muito seguro. O volume de ar da cabine é completamente filtrado a cada dois ou quatro minutos. No entanto, o movimento dos passageiros e tripulantes na cabine pode condicionar esta circulação de ar e o sistema de filtragem utilizado (HEPA – high-efficiency particulate air) não consegue captar gotículas contaminadas antes de estas serem inaladas por alguém.

    Um estudo de 2018, que analisou como o contágio de doenças que se transmitem pelo ar se dava nos aviões, chegou à conclusão que os passageiros que poderiam contrair a doença deveriam estar sentados até dois lugares ao lado ou na fila da frente ou de trás do passageiro infetado. Na altura, os passageiros não usavam máscaras.

    Há agora evidências de que o uso de máscaras pelos passageiros nos aviões faz mesmo a diferença. No início da pandemia, um homem infetado viajou de Wuhan para Toronto e esteve sempre de máscara. Não se registou nenhum contágio nesse voo.

    10 – Levar um estojo de viagem

    Neste caso época aconselho particularmente solução alcoólica, toalhitas desinfectantes, termómetro e paracetamol 1g (para adultos).

    Leiam ainda o post com recomendações para o estojo de medicação para as viagens aqui.

    Ah, e não se esqueçam do álcool gel 100 mL !

    Nem sempre existem casas de banho disponíveis para lavar as mãos de forma adequada, e por isso o álcool gel vai ser um fiel companheiro que vos deve acompanhar para todo o lado.

    Fontes:

    Boas viagens em segurança !

    Etiquetas:

    Deixe um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *